Minc quer energia eólica para defender Caatinga

carlos-minc_ministro do meio ambienteO Ministério do Meio Ambiente anunciou hoje (2) os primeiros dados do monitoramento do Bioma Brasileiro da Caatinga. De acordo com o ministro Carlos Minc, o principal fator de desmatamento da Caatinga é o energético, o uso da mata nativa para fazer lenha e carvão.

“Não haverá solução para a defesa da Caatinga sem mudar a matriz energética, com o uso de energia eólica, de pequenas centrais hidrelétricas e do gás natural”, afirmou o ministro.

A taxa anual de desmatamento da Caatinga entre 2002 e 2008 foi de 2.763 quilômetros quadrados (km²), com emissão média de 25 milhões de toneladas de carbono.

Segundo dados do ministério, a maior parte do carvão é usada em siderúrgicas de Minas Gerais e do Espírito Santo, no polo gesseiro e no cerâmico do Nordeste e também em pequenas indústrias que usam lenha e carvão. Outra fonte de desmatamento é a pecuária, principalmente a bovina, que está associada ao corte raso da Caatinga.

Carlos Minc  participa nesta quarta-feira (3), em Juazeiro (BA) da abertura do I Encontro Nacional de Enfrentamento da Desertificação (I ENED) no Complexo de Multieventos da Univasf, em Juazeiro-BA. Promovido pelos Ministérios do Meio Ambiente (MMA) e da Integração Nacional (MI), com a participação e execução do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), o encontro tem como objetivo central o fortalecimento político-institucional da agenda de combate à desertificação e dos processos de implementação dos Programas de Ação Nacional e Estaduais de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca – PAN-Brasil e PAEs, respectivamente.

O Encontro, que terá prosseguimento nos dias 4 e 5 no auditório do SENAI em Petrolina-PE, objetiva ainda a mobilização para a pactuação de compromissos entre os atores relevantes (tomadores de decisão), de forma a elevar o patamar de prioridade dessa Agenda, em todas as esferas da sociedade brasileira.

Entre as medidas que serão defendidas está a criação do Fundo Caatinga, proposto pelo Banco do Nordeste do Brasil, e de um fundo de combate à desertificação, proposto pelo Banco do Brasil. 

“Nós pleitearemos que o Fundo de Mudanças Climáticas, que tem R$1 bilhão, assinado pelo presidente Lula no final do ano passado, tenha metade de seu valor destinado ao Nordeste, região que será mais afetada pelas mudanças climáticas”, disse Minc.

Com informações da Clas Comunicação & Marketing

Comentários

3 thoughts on “Minc quer energia eólica para defender Caatinga”

  1. MARIA JOSÉ DOS SANTOS disse:

    Boa ideia!
    Energia eólica é melhor do que criar uma usina Nuclear, já basta a experiencia que tivemos com a que foi criada em Angras.

  2. Gilvan Dias disse:

    O mundo precisa de coisas sustentaveis.
    E porque não aproveitar esse sol que temos aqui.??

  3. Celeste Paixão disse:

    Estou interessada em saber mais sobre a implantação e se já tem alguma área disponível aqui em Juazeiro, pois conheço pessoas interessadas em vender para o projeto.

Deixe uma resposta

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br